Atualizado em: 30 de setembro de 2020

Como uma professora, vivendo a menopausa e aposentadoria, começou uma nova atividade profissional após os 50 anos.

A maturidade é um período de grandes mudanças. Na família, na profissão, em nós mesmas. É como uma nova adolescência, apenas com a sabedoria que conquistamos com as inúmeras experiências pela vida.

Empreender após os 50 anos pode ser uma alternativa para seguir a vida sendo criativa.

A Sandra Imperatriz, professora a vida toda, viu a menopausa chegar e junto com a aposentadoria aos 50 anos, por causa da profissão, e com energia prá muita coisa ainda. “O que fazer da vida, agora?”, pensou… E decidiu realizar um sonho.

Sandra ignorou os calores e outras coisinhas da menopausa, arregaçou as mangas e foi estudar.

“Sempre fui uma mulher ligada à moda, mas nunca deixei que ela me dominasse. Sempre gostei de me arrumar e ser elogiada por isso. Fui professora de crianças de 5 à 10 anos (Educação Infantil e Ensino Fundamental I) por mais de 30 anos e sempre arrumava um jeito de deixar a minha imagem, com o uniforme que tínhamos que usar, mais estilosa ou com a minha cara.

Para empreender após os 50 anos, é importante aprender novas habilidades e ter coragem para os novos desafios. Fotografia: Freepik.

Cursos e apoio são fundamentais

Após conseguir se aposentar como professora, com 51 anos ela resolveu que era hora de novos desafios. Para empreender com segurança em uma nova atividade após os 50 anos, Sandra foi estudar.

“Saí do universo infantil e fui para o universo feminino. Passei de professora à Consultora de Imagem e Estilo. Foi uma transição intensa, mas tranquila, pois contei com o apoio e incentivo de muitas pessoas queridas, como meu marido e meus filhos.

Além da família, tive o apoio da minha terapeuta Mariana Miras e minha coach Ana Maria Carelli.

Minha formação com a Silvana Bianchini (@dresscodesb) e estudos sobre branding pessoal com a Bru Fioreti (@brufioreti) também foram fundamentais para uma transição segura”.

A menopausa é só mais um desafio

Tudo chegou ao mesmo tempo. Ao mesmo tempo da transição de carreira/aposentadoria, Sandra começou a ter sintomas da menopausa.

“Tinha tudo para ser uma fase difícil, mas, com a ajuda que já falei, minha fé, minha confiança que tudo acontece no tempo certo e a dedicação que investi nessa nova fase/carreira, estou aqui, falando a vocês que valeu a pena.

As mudanças que realizei foram mais internas, porém, elas se refletiram na minha imagem, no meu estilo, que foi se refinando com o tempo e o autoconhecimento.”

As mudanças vieram

Sandra conta que empreender após os 50 anos, desenvolvendo um novo projeto profissional, a consultoria de imagem, ajudou muito nessa nova fase de mudanças e descobertas. Começando pelo guarda-roupa ….

“Entendi porque algumas peças não precisavam mais estar no meu guarda-roupa, me libertei de tentar usar cores e modelagens que não tinham nada a ver com minha coloração pessoal ou com meu corpo. Digo sempre a minhas clientes e amigas que estamos sempre em construção, sempre em mudança, e que o processo de autoconhecimento que se inicia com a consultoria de imagem precisa continuar por toda a vida, para que possamos sempre nos olhar com carinho e gentileza, sem tanta crueldade, como na maioria das vezes, nós mulheres, nos olhamos.” 

Sobre consultoria de estilo e imagem  

A consultoria começa identificando o desejo de imagem de uma mulher. Sandra explica que a consultoria também identifica os estilos predominantes, o biotipo e as cores que favorecem uma mulher para construir um guarda-roupa que represente essa mulher.  

“Você vai ficar tão bem que as pessoas vão te olhar e pensar: “Nossa! Ela está tão bem! O que será que aconteceu?”

Sempre que ajudo uma mulher a se descobrir linda com o seu corpo, as suas cores e o seu estilo, sinto que estou no caminho certo. Sinto que fiz a escolha certa. Me sinto feliz e realizada profissionalmente.”

Auto estima

“Autoestima e segurança, e isso para qualquer mulher, em qualquer idade. Nos dias atuais a visão da “maturidade” tem se modificado e evoluído bastante, apesar de muitas mulheres ainda acharem que chegar aos 40 é terrível, é decadente, é “ladeira abaixo”. Nossa cabeça é que vai determinar como vamos viver esses anos, e estar com um visual que nos agrade e que esteja de acordo com quem somos, pode fazer toda a diferença.”

Tem mesmo que mudar o jeito de se vestir?

Como se vestir na maturidade? Do seu jeito. Na foto, Iris Apfel.

A consultora Sandra Imperatriz acha que não.

“Passamos por várias transformações e mudanças durante nossa vida e nessa fase não seria diferente. Não acho que temos que mudar nosso jeito de vestir só porque chegamos em determinada idade, mas acredito que, naturalmente, vamos modificando alguns pontos da nossa imagem. E a roupa aqui, tem tudo a ver com essa imagem, mas é só uma parte do todo”.

A moda é para todas

Para a consultora a moda oferece possibilidades para todas as mulheres de qualquer idade, e com liberdade para escolher.

Acredito muito no poder que toda mulher tem de adaptar a moda a seu favor. Dizer que há uma moda especifica para a mulher de 20, 30, 40, 50… , é compartimentar muito o universo feminino, tão rico e tão cheio de possibilidades.

Tudo vai depender da mulher, do que ela acredita, de onde ela vive, de como ela vive, da imagem que ela quer passar. A moda, atualmente está muito democrática e, temos que usá-la a nosso favor, para que ela valorize o que temos de melhor.

Se pensarmos assim, deixamos de ser escravos ou reféns da moda e nos tornamos donas de nós mesmas.”

Citando Costanza Pascolato

Sandra lembra um trecho de Costanza Pascolato, a papisa da moda no Brasil, em seu livro O essencial:

“É preciso encontrar quem você é, resgatar uma mulher que você deixou de ser ou descobrir quem ainda, verdadeiramente, não conseguiu ser.”

“Sou quem sou…”  

“E é assim que me sinto, sem idade definida, mas sem a tirania de querer ou ter de parecer mais jovem. Sou quem sou! Me cuido como sempre me cuidei: muita água sempre, comidas saudáveis quase sempre, vinho e boa companhia sempre que dá, exercícios diários, oração e gratidão o tempo todo, leituras constantes e fé, muita fé na vida e nas pessoas.”.  

Quer mais histórias como essa? Inscreva-se no boletim informativo semanal de SempreBem.

Foto de capa: Divulgação.

Gostou da matéria? Assine a nossa Newsletter e receba gratuitamente dicas para curtir a nova vida!